Posts tagged ‘Política’

Quem são os presidenciáveis mais rejeitados pelos brasileiros

http_o.aolcdn.comhssstoragemidas36bc9318aecf559ada55da17e303a5ea205889477Untitled+design+1

A disputa de maior rejeição será um espetáculo à parte nas eleições presidenciais de 2018. Sete dos nove presidenciáveis têm índice de reprovação maior que 50%, segundo a pesquisa Barômetro Político, realizada pelo Instituto Ipsos e pelo jornal O Estado de São Paulo e divulgada nesta quinta-feira (23).

Pré-candidato pelo PSD, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, tem 70% de rejeição. Logo atrás dele, está o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), com 67% de reprovação.

Em terceiro lugar, estão empatados o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), e o ex-governador Ciro Gomes (PDT), com 63% de rejeição. Atrás dos quatro, o ranking segue com Jair Bolsonaro (PSC), que tem 60%, Marina Silva (Rede) e Lula (PT), ambos com 56%.

Dos nomes cogitados para a Presidência da República, apenas Joaquim Barbosa e Luciano Huck têm rejeição menor que a metade dos brasileiros: respectivamente 41% e 32%.

A pesquisa do Instituto não mede intenção de votos. Ela lança nomes do universo político e pede aos entrevistados que avaliam se aprovam ou desaprovam sua atuação no País. Também não está restrita a presidenciáveis. A pesquisa avaliou nomes de políticos e juristas, e os recordistas de reprovação são o presidente Michel Temer, com 95%, e o senador Aécio Neves, com 93%.

No próximo dia 9, o PSDB decidirá em convenção quem deve ser o candidato do partido à Presidência. A maior probabilidade é que Alckmin seja o presidenciável e Doria seja lançado para concorrer ao governo de São Paulo.

Aprovação

Dois “outsiders” políticos estão no top 3 dos candidatos mais aprovados pela população. O apresentador da Globo, Luciano Huck, encabeça o topo da lista com 60%, seguido pelo ex-presidente Lula com 43%, e pelo ex-ministro do STF Joaquim Barbosa, com 42%.

Huck também teve o maior crescimento de aprovação: ele subiu 16 pontos percentuais desde junho de 2017, quando seu nome entrou para a lista de avaliação do instituto.

Huck e Barbosa não se decidiram ainda sobre suas candidaturas, mas foram convidados para ser a cara do PPS e do PSB, respectivamente, em 2018. O primeiro prometeu resolver sua candidatura até dezembro. O segundo, até janeiro. Os dois se encontraram no início do mês para debater candidaturas e uma possível união para o próximo pleito.

Mesmo com a condenação a nove anos e seis meses pelo caso do Tríplex do Guarujá, Lula conseguiu diminuir um ponto percentual de rejeição e aumentar em oito pontos sua aprovação desde 2015.

Do Estadão

Anúncios

24 de novembro de 2017 at 16:30 Deixe um comentário

Lixo Político: Crônica de um dia de eleição

Começo esclarecendo: não é uma metáfora. Embora seja perfeitamente cabível falar sobre o lixo que se figura num sistema vendido, o lixo das práticas corruptas, dos próprios políticas sujos – que nem uma “ficha limpa” conseguiu jogar para fora – não começo tão torridamente este escrito.

O lixo, neste primeiro momento, está empregado no seu sentido denotativo. E, como é tradicional de um cronista, escrevo sobre ele pelo contato que tive. Não eram sete da manhã e precisei caminhar pelas ruas de minha cidade. A flutuação pelo vento de pequenos papéis retangulares, logo na porta de minha casa, já anunciavam o que estava por vir no meu trajeto. E não precisei andar muito para me deparar com incontáveis santinhos, panfletos, adesivos, e tantos outros materiais gráficos misturados, estampados com rostos e números. O lixo político.

Aquela cena se constataria desde os meus primeiros passos até o fim do meu percurso – e em quantidade crescente. Involuntariamente me vinha à cabeça uma analogia com a maneira com que se faz política neste país: que sujeira.

Questionei-me sobre os efeitos da expressão “não jogar em via pública”, que acompanha cada publicação que estava no chão. Parece que na política do Brasil fazemos tudo ao contrário. Cobra-se eficiência na gestão pública, e somos lesados por uma administração incompetente. Quem rouba tem que ser preso, e uma turma de mensaleiros está dando sopa por aí, alguns até querendo gerir no estado ao lado. Não se deve vender o voto, e o trocamos por galinhas – talvez ‘louros’ tenha uma conotação melhor.

Continuando no meu caminho, dois meninos a brincar me chamaram atenção: sem camisas, aqueles pobres coitados, de no máximo doze anos de idade, conseguiam aproveitar o envolto para se divertir. Jogavam para ar os montes de papeizinhos que se agrupavam entre a rua e o meio-fio. E mais reflexão: “à massa, distração e entretenimento enquanto passam necessidades em casa. Eis a nossa suja política”.

No fim de caminho, algo que era óbvio desde o começo pairava no pensamento. Éh, hoje é dia de eleição. Vão limpar a casa, tentar jogar o lixo fora. O pior é que não me surpreende que sujem tudo outra vez.

Ricardo Alves – Jornalista

3 de outubro de 2010 at 15:35 Deixe um comentário

Clipe do Roubolation “bomba” na Internet

Uma paródia da música Rebolation da banda de pagode Parangolé vira sensação na Internet, especialmente na rede de relacionamento Twitter. A música que tem por nome “Roubolation” faz alusão aos políticos e suas praticas crimisosas. Vídeo de muita criatividade mostra também algumas imagens do ex-governador de Brasilia recebendo dinheiro ilegal. Vale apena ver. Confira !!!


Por Eudes Sampaio

25 de fevereiro de 2010 at 10:42 Deixe um comentário

Lula e Geddel visitam obras de transposição no Rio São Francisco

O ministro Geddel Vieira Lima, recebe o presidente Lula para  uma visita às obras de transposição do Rio São Francisco. O “passeio” vai começar em Pirapora, Minas Gerais, seguindo para Buritirama e daí, seguem para Barra, na Bahia, município que ganhou projeção depois das duas greves de fome feitas pelo bispo Dom Luiz Cappio, que se opõe à transposição.

Barra será palco do primeiro encontro de Lula com o governador Jaques Wagner e o ministro da Integração, Geddel Vieira Lima, em solo baiano, depois que o PMDB rompeu, com a aliança estadual e lançou a candidatura do ministro ao governo. Há quem aposte que o presidente usará seu poder de sedução para tentar aproximar os dois aliados e garantir, na Bahia, um único palanque governista para a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, a preferida de Lula para sucedê-lo na Presidência.  Para mim isso é um fato improvável.

Por: Welington Junior

9 de outubro de 2009 at 11:52 Deixe um comentário