Policial tenta barrar advogado em fórum por usar acessório do candomblé

14 de março de 2019 at 11:00 Deixe um comentário


O eketé se assemelha a uma boina e é o que defende os iniciados dos perigos externos

O ori, como os adeptos do candomblé se referem à cabeça, é a parte mais sagrada do corpo humano para a religião. Como acreditam que é nessa área que habita a energia vital para a força espiritual, é sempre necessário alimentá-la e protegê-la.

O eketé, acessório do candomblé que se assemelha a uma boina, é o que defende os iniciados, ou quem está em fase de confirmação na crença, dos perigos externos. Nesta quarta-feira (13), um policial e um funcionário de um fórum tentaram impedir um advogado, que usava o objeto religioso em respeito às suas obrigações, de entrar em dois fóruns: o Ruy Barbosa, em Nazaré, e o João Mendes, em Lauro de Freitas.

O advogado Matheus Maciel na frente do Fórum Ruy Barbosa, onde funcionário tentou impedir sua entrada (Foto: Acervo pessoal)

Matheus Maciel estava vestido de branco dos pés à cabeça, como exige o momento de seu resguardo religioso, quando um policial militar o abordou, na entrada do Fórum João Mendes. Recebeu do agente o aviso: não poderia participar da audiência de conciliação se continuasse com o que chamou de “chapéu”. Ao lado do cliente e de uma estudante, Matheus explicou não se tratar de um simples adorno, mas um símbolo de proteção.

Sem acordo, Matheus ligou para a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e relatou o caso.

“Quando liguei, o PM percebeu. Antes que a OAB mandasse os prepostos, o PM me chamou novamente. Um funcionário autorizou minha entrada, o que atribuo a isso. Mas ele o fez como se fosse uma concessão, disse que eu precisaria ficar atento nas próximas vezes”, contou o advogado ao CORREIO.

Terminada a audiência, Matheus decidiu seguir para o Fórum Ruy Barbosa, onde também funciona uma sala da OAB. Ali, estava pronto para formalizar a denúncia de constrangimento que, para ele, foi um episódio de intolerância religiosa. Foi então que ele teve outra desagradável surpresa. Dessa vez, um funcionário do fórum questionou o uso do eketé, novamente tratado com se fosse um objeto qualquer – bonés e chapéus são proibidos, segundo o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA).

“Ele disse: ‘Tire o chapéu para poder entrar’. Eu disse que estava no exercício de minha função e não poderia ter meu acesso restrito. É lamentável que um profissional indispensável à justiça seja tratado como uma questão de polícia”, reclama.

O advogado denunciou as duas tentativas de restrição de sua liberdade e entrou em contato com membros da Comissão de Intolerância Religiosa. “Minha intenção é que esse tipo de situação não se repita, porque essa é minha rotina. Ainda precisarei vir ao fórum da mesma forma que fui hoje (ontem)”.

Da parte da OAB, há o compromisso de, nos próximos dias, reunir as partes envolvidas no caso para discutir como evitar novos episódios como os que ocorreram com Matheus.

Como não há regra específica sobre o uso de adereços sagrados em fóruns, embora seja proibido cobrir a cabeça com objetos, é preciso encontrar caminhos alternativos – e contrários, sobretudo, à discriminação.

Maíra Vida, presidente da Comissão Especial de Combate à Intolerância Religiosa da OAB, comentou o caso. “O uso de uma cobertura sobre a cabeça pode estar na linha de exceção autorizativa de trânsito livre em consonância à liberdade religiosa”, disse ela.

“A presença de policiais nos fóruns e a regra de impedir os bonés são importantes, mas a exceção não impede a regra. Temos apenas que fazer uma modulação”, completou.

A Polícia Militar (PM) não comentou o caso e disse que é o Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) quem deveria fazê-lo. Ao ser procurado, o TJ-BA respondeu apenas que o uso de bonés e chapéus é, sim, proibido em instalações judiciárias. Questionado por e-mail quanto às especificidades de um uso religioso, não respondeu à reportagem.

Pelo direito da expressão
Os períodos de resguardo são comuns no candomblé. E o uso do eketé, para os homens, e ojás, para mulheres, acompanham momentos de obrigação religiosa. Continuar trabalhando normalmente, independentemente da função exercida, não é necessariamente proibido, mas, segundo Leonel Matos, presidente da Associação Brasileira de Preservação da Cultura Afro-Ameríndia (AFA), deve-se sempre respeitar e acolher a diversidade.

“Imagine sair para rua depois de uma operação, de uma cirurgia sem um curativo. É a mesma coisa. Não existe!”

Leonel até compreende a ação dos profissionais e diz entender que eles apenas cumprem regras, mas questiona a inexistência de leis. “Compreendo as regras de segurança, mas sabemos que existe o desconhecimento e a intolerância. E deve mesmo ter sido esse o caso”, opinou.

A AFA prepara um projeto para enviar ao Ministério Público do Estado da Bahia (MP-BA) contra a intolerância disfarçada de burocracia em ambientes institucionais.

Quando saía do Fórum Ruy Barbosa, inclusive, Matheus diz que o funcionário começou a cantar uma música gospel. Um provável recado de intolerância. “Deve existir um livre exercício da religião também nesses espaços”, espera o advogado. A OAB diz que agirá nesse sentido: de tratar os desiguais na medida de suas desigualdades. O objetivo é que imperem a autonomia e a diversidade.

* Com supervisão da subeditora Fernanda Varela

Anúncios

Entry filed under: Geral.

Neguinha da Santa Casa Solicita transporte escolar para comunidades do interior de Juazeiro. “É um direito do aluno e um dever do município e do Estado” Homicídios são registrados em Juazeiro e em Petrolina nesta quarta-feira (13)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Instagram

Pura vdd
Homem é preso após atropelar mulher nas proximidades do Mercado do Produtor em Juazeiro (BA) Policiais da 75ª Companhia Independente de Polícia Militar apresentaram na delegacia o condutor do veiculo VW/gol, cor prata, placa MUR4087-BA, que ao transitar nas proximidades do Mercado do Produtor de Juazeiro (BA), atropelou uma senhora, fugindo logo em seguida. Após rondas, a polícia conseguiu localizar o suspeito, que recebeu voz de prisão, já que a vitima apresentava lesões pelo corpo. O acusado e o veiculo foram apresentados para os procedimentos cabíveis, enquanto a vítima foi conduzida para a UPA pela equipe do SAMU.
PRF diz que motorista de caminhão preso na Ponte Presidente Dutra após atingir vários veículos em Petrolina não havia ingerido bebida alcoólica O condutor do caminhão que colidiu em vários veículos na BR-407, em Petrolina, fugiu e foi perseguido pela polícia até a Ponte Presidente Dutra, na noite de ontem (9), não havia ingerido bebida alcoólica, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). No entanto, conforme o inspetor-chefe da PRF, Paulo Lima, ele admitiu ter feito uso de rebite e remédios controlados. Francinaldo Mendes da Silva, de 30 anos, vinha da cidade de Picos (PI). Conforme Paulo Lima, o caminhão conduzido por Francinaldo pertence a uma empresa a qual ele presta serviço. O homem contou à PRF ter deixado seu irmão no estado do Piauí, mas não disse para onde estava indo. Leitores do Blog informaram que ele estava em alta velocidade desde as imediações do distrito de Rajada, zona rural de Petrolina. Além disso, seguia pela contramão. Após bater em outro caminhão e carros de passeio na Avenida Honorato Viana, o caminhoneiro fugiu e foi acompanhado pela Polícia Militar (PM). Quando chegou à Ponte Presidente Dutra, entre a cidade pernambucana e Juazeiro (BA), já com o caminhão bastante danificado, foi interceptado pelas equipes policiais e por um policial à paisana, que seguia como carona em uma motocicleta. Mas ele só parou o veículo no meio da ponte, quando foi retirado do caminhão e colocado em uma viatura. Ninguém ficou ferido. Surto O inspetor chefe da PRF explicou que as substâncias que Francinaldo disse ter feito uso são alucinógenas e podem causas surtos psicóticos. “Ele fez o teste o etilômetro e não tinha a presença de álcool. Mas ele disse ter feito uso de anfetamina, substância que, em determinadas situações, pode causar alucinações e surtos psicóticos. Ele foi apresentado ao IML (Instituto de Medicina Legal) para fazer outros exames”, explicou Paulo Lima. Apesar de ter sido autuado por crimes de trânsito e uso de substâncias p
CAMINHADA DO SETE DE SETEMBRO REVELA ALINHAMENTOS PARA A ELEIÇÃO DE OUTUBRO O sete de setembro, em Juazeiro, ganhou tom político após o desfile cívico e militar, oportunidade em que os diversos candidatos, com seus seguidores, saíram às ruas para mostrar força e tentar conquistar a simpatia do grande público. A caminhada mostrou o alinhamento de grupos e candidatos. Isaac Carvalho, candidato a federal pelo PCdoB, protagonizou a puxada dos seguidores de Rui Costa, candidato a governador do PT, tendo a companhia de Zó (PCdoB) e Roberto Carlos (PDT). Da ala que apoia Rui Costa, somente Carlos Neiva (PSB), manteve distância da base governista no município, foi às ruas com seu grupo de apoiadores e aproveitou a oportunidade para inaugurar seu comitê, na Adolfo Viana. A caravana de apoio a Zé Ronaldo, candidato ao governo do estado pelo DEM, foi capitaneada pelo ex-prefeito de Juazeiro, Joseph Bandeira (SD), candidato a deputado estadual. Bem ao seu estilo, foi seguido por pelo menos cinco candidatos a deputado federal: Adolfo Viana (PSDB), Luciano (SD), Lelego (MDB), Marcio Jandir (DEM) e pelo grupo de Targino Gondim (PV). Único candidato ao governo da Bahia presente ao evento, Zé Ronaldo chegou a ensaiar um passeio sobre os ombros de um seguidor, ao estilo de Bandeira, mas caminhou boa parte do percurso ao lado de Jorge Khoury e do candidato ao Senado Jutahy Magalhães, também presente na caminhada. Sem o candidato Rui Costa, o grupo liderado por Isaac Carvalho, apostou em faixas com o slogan Lula Livre e bandeiras do próprio Isaac, Zó e Roberto Carlos. Não houve confrontos, nem incidentes dignos de registro. Da redação Blog Geraldo José
DONO DA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS É PRESO O empresário Deusmar Queirós foi preso na manhã de ontem (9). Fundador da rede de farmácias Pague Menos, ele se entregou na sede da Polícia Federal no Ceará, no bairro Aeroporto, em Fortaleza. Segundo o jornal O Povo, a prisão decorre de condenação do empresário em 2010 por crimes contra o sistema financeiro. A pena para o crime é de 9 anos e 2 meses. A decisão foi do desembargador federal Alexandre Costa de Luna Freire, que estava no plantão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ainda segundo a publicação cearense, um Habeas Corpus impetrado pela defesa do empresário foi negado. Desde a decisão indeferindo o Habeas Corpus, ele teria 48h pra se apresentar. Um recurso da defesa de Deusmar já tinha sido feito no Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), em Recife, e no STJ. No entanto, houve trânsito da condenação dos recursos nas duas cortes, com idas e voltas, se encerrando agora com a execução da detenção. A defesa do empresário deve se pronunciar.
Senhor do Bonfim: Candidato a deputado federal morre vítima de infarto fulminante Liderança conhecidíssima em Senhor do Bonfim, no norte da Bahia, Alcides da Silva Araújo, o ‘Alcidão’, de 65 anos, que concorria a deputado federal pela Coligação ‘Unidos para Mudar a Bahia’ (DEM/PRB/PV), morreu na noite de sábado (8), vítima de um infarto fulminante. Ele passou mal e foi levado ao Hospital Paulo Hilarião, mas não resistiu. Além de amante da política, Alcidão era conhecido por ajudar pessoas carentes, principalmente na Semana Santa, quando fazia entrega de peixes. Alcidão também era figura destacada no Democratas e disputou a Prefeitura de Senhor do Bonfim em 2016. O corpo dele está sendo velado na Câmara de Vereadores e o sepultamento será realizado às 17h deste domingo (9), no Cemitério do Povoado de Catuní, município de Jaguarari, no norte baiano, onde ele nasceu. Pesar O candidato ao Governo da Bahia, Zé Ronaldo (DEM) lamentou nesta manhã a morte de Alcidão. “É um momento de tristeza para toda a região de Senhor do Bonfim e para a toda a Bahia. Alcidão era muito querido por todos e teria muitos serviços a prestar ao nosso Estado no Congresso Nacional. Venho trazer agora a minha solidariedade à família dele”, disse Zé Ronaldo, por meio de nota.

Siga-me no Twitter