Especialistas alertam para epidemias de Zika e Chikungunya no verão

20 de agosto de 2018 at 14:25 Deixe um comentário

Resultado de imagem para dengue zika e chicungunha

A poucos meses do início do verão, especialistas alertam que o Brasil pode voltar a sofrer com epidemias de Zika e Chikungunya. Apesar da redução da incidência de casos este ano, as doenças transmitidas pelo mosquito Aedes aegypti podem voltar a ter força a partir de dezembro ou janeiro de 2019, quando já terá passado o período da primeira onda de surto em alguns estados.

O pesquisador colaborador da Fundação Oswaldo Cruz em Pernambuco Carlos Brito, disse que o país se dedicou mais nos últimos dois anos no estudo dos impactos do Zika, devido ao surto e a perplexidade causada pelos casos de microcefalia nos bebês. Ressaltou, no entanto, que mesmo assim o país continua despreparado para atender novos casos das arboviroses, principalmente de Chikungunya.

“Na verdade, deixou-se um pouco de lado a Chikungunya que, para mim, é a mais grave das arboviroses. E as pessoas geralmente nem têm ciência da gravidade, nem estão preparadas para conduzir a Chikungunya. É uma doença que na fase aguda não só leva a casos graves, inclusive fatais, mas deixa um contingente de pacientes crônicos, que estão padecendo há quase dois anos com dores, afastamento das atividades habituais de trabalho, lazer, vida social”, explicou Brito à Agência Brasil.

O pesquisador disse que a incidência das doenças vai variar de região para região. Aqueles estados onde muitas pessoas já foram infectadas no início do surto em 2016, como no Nordeste, poderão ficar imunes por mais um tempo. No entanto, muitos municípios ainda têm a probabilidade de enfrentar novos surtos, como o Rio de Janeiro, que recentemente registrou vários casos. (link1 )

“No Brasil tudo toma uma dimensão muito grande, porque é um país de dimensão continental. Então, não estamos preparados, nem os profissionais de saúde foram treinados, nem estamos tendo a dimensão da intensidade da doença, nem as instituições estão atentas para uma epidemia de grandes proporções em um estado como São Paulo, com 40 milhões de habitantes, ou no Rio de Janeiro, com 20 milhões de habitantes”, alertou Brito.

Redução
Segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado na sexta-feira (17), de janeiro até 28 de julho deste ano foram registrados 63.395 casos prováveis de febre Chikungunya. O resultado é menos da metade do número de casos reportados no mesmo período do ano passado, de 173.450. Em 2016, foram 278 mil casos.

Mais da metade, 61% dos casos reportados neste ano, estão concentrados na Região Sudeste. Em seguida, aparece o Centro-Oeste (21%), o Nordeste (13%), Norte (7%) e Sul (0,35%).

Nos primeiros sete meses de 2018, foram confirmadas 16 mortes por Chikungunya. No mesmo período do ano passado, 183 pessoas morreram pela arbovirose. A redução no número de óbitos foi de 91,2%. Já para o Zika, em todo o país foram registrados 6.371 casos prováveis e duas mortes até o fim de julho. No ano passado, o vírus tinha infectado mais de 15 mil pessoas no mesmo período. A maior incidência de Zika este ano também está no Sudeste (39%), seguida da Região Nordeste (26%).

Ameaça

Apesar da redução da incidência, o pesquisador Luiz Tadeu Moraes Figueiredo, professor do Centro de Pesquisa em Virologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), de Ribeirão Preto, também alerta que, depois do período de seca em que há baixa circulação dos vírus, essas arboviroses podem voltar a qualquer momento, assim como já ocorreu com a dengue e com a febre amarela.

“Não estamos tendo uma epidemia. Estamos tendo casos esporádicos. Mas ainda é um problema que pode voltar, sim. As arboviroses são assim mesmo, dengue, Zika. Todas elas têm momentos em que desaparecem, depois voltam. O vírus está aí, está no Brasil, e ainda é uma ameaça. Ele pode voltar agora, inclusive, neste verão. O risco está aí”, disse à Agência Brasil.

Figueiredo disse que permanece o desafio de diagnosticar com precisão o Zika em tempo de prevenir suas consequências. Apesar dos avanços nas pesquisas nos últimos anos, ainda não foi desenvolvida uma forma de detecção rápida do vírus Zika que possa ser disponibilizada em todo o país, disse o pesquisador.

“A dificuldade continua. A gente descobriu algumas coisas que podem ajudar o diagnóstico, mas o problema não está resolvido ainda. O mais eficaz é você encontrar o vírus, isolar é mais complicado. Ou você encontrar o genoma do vírus ou alguma proteína do vírus na fase aguda seria muito útil, aí você pode detectar na mulher, se estiver grávida inclusive”, explicou.

Os pesquisadores apontam que o ideal para prevenir o impacto de novos surtos seria desenvolver uma vacina. Contudo, eles lamentam que essa solução ainda está longe de ser concretizada. Enquanto isso, o foco ainda está no controle do mosquito transmissor dos vírus. “As pessoas devem ficar atentas e controlar o vetor nas suas casas e, assim, evitar a transmissão. É a única [solução] que nós temos nesse momento”, disse Figueiredo.

O pesquisador Carlos Brito defende que o Estado deve investir em melhorias de qualidade de vida da população e em infraestrutura de saneamento para controlar as epidemias causadas pelas arboviroses.

Controle permanente
Por meio de nota, o Ministério da Saúde informou que a destinação de recursos para controle do mosquito vetor e outras ações de vigilância são permanentes e passaram de R$ 924,1 milhões, em 2010, para R$ 1,93 bilhão em 2017. Para este ano, o orçamento previsto é de R$ 1,9 bilhão.

Além da mobilização nacional para combater o mosquito, a pasta ressaltou que, desde novembro de 2015, quando foi declarado o estado de emergência por causa do Zika, foram destinados cerca de R$ 465 milhões para pesquisas e desenvolvimento de vacinas e novas tecnologias.

Agência Brasil

Anúncios

Entry filed under: Geral.

Lula lidera disputa com 37% dos votos, segundo nova pesquisa CNT/MDA SEDE DO SINSERP É INVADIDA E DOCUMENTOS SÃO DESTRUÍDOS EM JUAZEIRO (BA)

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Instagram

⛔ Com palavras de ordem “SOS Juremal” e “Queremos água Limpa”, muitas pessoas do Distrito de Juremal estiveram na manhã desta quarta (18), ao Paço Municipal em Juazeiro, para realizar um protesto contra a falta d´água, há sete dias, na localidade. . . A grande queixa da população é a mudança do local de captação que antes era na adutora de Caraíba Metais e agora passou a ser na Agrovale, sem consulta alguma aos moradores. Eles estão pedindo apenas que o sistema continue como era antes. Até porque há mais ou menos um ano houve uma reunião sobre esta mudança e a população não aceitou. . Segundo o SAAE, a falta de água se dá por que devido a esta mudança de capitação, foi necessário desligar o bombeamento antigo, ativando outro novo, o que desencadeou em estouramento de alguns tubos da rede. . . Fica o questionamento: É claro que não dá para agradar a todos, mas era necessário mesmo fazer essa mudança sem a consulta do povo? Se as desculpas são tão plausíveis, por que não compartilhar com a população? Será que existem outros interesses? . . Comentem e arraste para verem os vídeos📲
Após vazamentos de conversas que deixam o ministro Sérgio Moro em uma situação, no mínimo, embaraçosa, os vereadores de Petrolina resolveram fazer sua parte e manifestar seu apoio ao ex-magistrado. . E o apoio veio da forma mais sublime: a concessão do título de cidadão petrolinense. Por 16 votos a favor, durante uma sessão que rolou ofensas, agressões verbais e pessoais, o projeto do vereador Ronaldo Silva foi aprovado. Houveram três votos contrários e duas abstenções. . Será que os petrolinenses vão se orgulhar do jogo conterrâneo?
Mal educado. Esse é o adjetivo mais apropriado para o ministro da Educação do governo @jairmessiasbolsonaro. . Abraham Weintraubmin, o mesmo do mico de 'cantando na chuva', protagonizou uma cena lamentável durante a coletiva de imprensa concedida em Petrolina na última terça-feira (17). . De forma grosseira e sem tato, o ministro distribuiu patadas e grosseiras com os repórteres que cobriam a sua visita. . Por isso que a situação está desse jeito.
🚨 Um homem foi abordado por seguranças de um shopping em Juazeiro depois uma suposta tentativa de furto numa loja de departamento próximo à entrada. O caso ocorreu na noite desta segunda-feira (17). . Esta não é a primeira vez que casos assim são registrados no shopping. Algumas pessoas já relataram que tiveram peças de veículos furtadas, no estacionamento. . Desta forma, o sentimento de insegurança toma conta de quem precisa ir até o local fazer compras. . Confira a foto no post e deixe os seus comentários!!!. . 🗣️📢. . #Juazeiro #ValeComentar #shopping
A situação da UPA de Juazeiro é muito crítica. Pacientes em macas pelo corredor, superlotação e sérios problemas de manutenção. . A população que precisa de atendimento na unidade está sofrendo os problemas no atendimento. . A unidade está prestes a 'fechar' para manutenção, como informou a gestão municipal. . Fotos:@nossavoz