Anúncios

Em três meses, 535 celulares foram apreendidos em presídios de PE

1 de junho de 2018 at 11:15 Leave a comment

Aparelho é utilizado para que o preso se mantenha no comando de suas quadrilhas

Promotor chama a atenção para que smartphones quase não aparecem nas apreensões / Divulgação

As facilidades que os presos encontram para se manter no comando do crime de dentro dos presídios é visível. Somente no primeiro trimestre deste ano, 535 celulares foram apreendidos nas unidades prisionais do Estado, além de 184 armas brancas e 12 armas de fogo. Em 2017, foram 2.306 aparelhos, 748 armas brancas e 74 de fogo. Sem falar nas drogas, na cachaça e em outros tipos de armas. A escassez de agentes penitenciários, a falta do uso de tecnologia e a mistura de criminosos perigosos com iniciantes são apontados como geradoras dessas facilidades.

“Em 2000, Pernambuco tinha 1.075 agentes penitenciários. Hoje, são 1.489, ou seja, 20 presos por agente, quando o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária (CNPCP) indica cinco presos por agente”, informa o presidente do Sindicato dos Agentes Penitenciários, João Carvalho. “Com isso, criou-se a figura do chaveiro. Presos têm o controle dos presídios.”

O sindicalista diz que, em geral, os produtos são arremessados por cima dos muros. “O chaveiro abre a grade para o preso ir buscar. Muitas guaritas estão desativadas, mas também faltam equipamentos de fiscalização. Só temos sete scanners e não há bloqueadores de celular”, afirma. Segundo Carvalho, muitos crimes são encomendados por facções para manter o poder dentro dos presídios, “onde circulam o dinheiro de tráfico e de prostituição”.

A Secretaria-Executiva de Ressocialização (Seres) informa que, em 2017, houve a demissão de um agente penitenciário por facilitação de entrada de armas. Em 2018, ainda não há processo, ou seja, a punição para esse tipo de crime é praticamente zero.

ZUMBIS

O promotor da Vara de Execuções Penais, Marcellus Ugiette, observa que ao prender jovens com pequenas quantidades de droga e misturá-los com traficantes perigosos, o Estado cria um exército de zumbis. “Eles encontram a droga facilmente dentro dos presídios e ficam em dívida com os traficantes. Assumem tudo o que acontece. E quando sair vão roubar, matar e até morrer para pagar a dívida.”

Ele também critica a banalização do uso do celular nas unidades. “Tem mãe que vem ligar para o filho preso na minha frente”, comenta, indignado. “Com o celular, o preso manda matar, vender armas, drogas. Há quem defenda que é melhor deixar uns aparelhos para monitorar, mas isso é conivência. E apreensão (salientando que os smartphones nunca são pegos, só aparelhos velhos) não é motivo para se alegrar. Nada disso deveria entrar nos presídios. Os governantes é que deveriam estar presos por isso.”

ERRO DO PACTO

Especialista em segurança, o sociólogo Luiz Flávio Sapori esteve recentemente no Recife fazendo uma avaliação do Pacto pela Vida, lançado em 2007 para redução da violência. “O maior erro do programa foi ter deixado o sistema penitenciário em segundo plano”, analisa. “O desafio de Pernambuco é investir em uma guarda maior e mais capacitada, com protocolos de segurança bem delineados. Hoje, a situação do Estado nesse quesito é a pior do País, onde a média de presos por agente é de 12 para um. É preciso investir em tecnologia, projetos de ressocialização e de reintegração dos egressos ao mercado de trabalho e abrir, pelo menos, cinco mil vagas nos próximos quatro anos. Tem que ter mais racionalidade e profissionalismo na gestão.” (JC)

Do Blog Ação Popular

Anúncios

Entry filed under: Geral.

Caminhoneiros sequestrados na Bahia são encontrados no Sertão de PE COELBA OFERECE PARCELAMENTO DE FATURAS DE ENERGIA VENCIDAS EM ATÉ 12 VEZES NO CARTÃO DE CRÉDITO

Deixe uma resposta

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed