NO LE MONDE, LULA EXPLICA POR QUE QUER VOLTAR A SER PRESIDENTE DO BRASIL

17 de maio de 2018 at 15:00 Deixe um comentário


Por Luiz Inácio Lula da Silva, no Le Monde – Sou candidato a presidente do Brasil, nas eleições de outubro, porque não cometi nenhum crime e porque sei que posso fazer o país retomar o caminho da democracia e do desenvolvimento, em benefício do nosso povo. Depois de tudo que fiz como presidente da República, tenho certeza de que posso resgatar a credibilidade do governo, sem a qual não há crescimento econômico nem a defesa dos interesses nacionais. Sou candidato para devolver aos pobres e excluídos sua dignidade, a garantia de seus direitos e a esperança de uma vida melhor.

Na minha vida nada foi fácil, mas aprendi a não desistir. Quando comecei a fazer política, mais de 40 anos atrás, não havia eleições no País, não havia direito de organização sindical e política. Enfrentamos a ditadura e criamos o Partido dos Trabalhadores, acreditando no aprofundamento da via democrática. Perdi 3 eleições presidenciais antes de ser eleito em 2002. E provei, junto com o povo, que alguém de origem popular podia ser um bom presidente. Terminei meus mandatos com 87% de aprovação popular. É o que o atual presidente do Brasil, que não foi eleito, tem de rejeição hoje.

Nos oito anos que governei o Brasil, até 2010, tivemos a maior inclusão social da história, que teve continuidade no governo da companheira Dilma Rousseff. Tiramos 36 milhões de pessoas da miséria extrema e levamos mais de 40 milhões para a classe média. Foi período de maior prestígio internacional do nosso país. Em 2009, Le Monde me indicou “homem do ano”. Recebi estas e outras homenagens, não como mérito pessoal, mas como reconhecimento à sociedade brasileira, que tinha se unido para a partir da inclusão social promover o crescimento econômico.

Sete anos depois de deixar a presidência e depois de uma campanha sistemática de difamação contra mim e meu partido, que reuniu a mais poderosa imprensa brasileira e setores do judiciário, o momento do país é outro: vivemos retrocessos democráticos, uma prolongada crise econômica, e a população mais pobre sofre, com a redução dos salários e da oferta de empregos, o aumento do custo de vida e o desmonte de programas sociais.

A cada dia mais e mais brasileiros rejeitam a agenda contra os direitos sociais do golpe parlamentar que abriu caminho para um programa neoliberal que havia perdido quatro eleições seguidas e que é incapaz de vencer nas urnas. Lidero, por ampla margem, as pesquisas de intenções de voto no Brasil porque os brasileiros sabem que o país pode ser melhor.

Lidero as pesquisas mesmo depois de ter sido preso em consequência de uma perseguição judicial que vasculhou a minha casa e dos meus filhos, minhas contas pessoais e do Instituto Lula, e não achou nenhuma prova ou crime contra mim. Um juiz notoriamente parcial me condenou a 12 anos de prisão por “atos indeterminados”. Alega, falsamente, que eu seria dono de um apartamento no qual nunca dormi, do qual nunca tive a propriedade, a posse, sequer as chaves. Para me prender, e tentar me impedir de disputar as eleições ou fazer campanha para o meu partido, tiveram que ignorar a letra expressa da constituição brasileira, em uma decisão provisória por apenas um voto de diferença entre 11 na Suprema Corte.

Mas meus problemas são pequenos perto do que sofre a população brasileira. Para tirarem o PT do poder após as eleições de 2014, não hesitaram em sabotar a economia com decisões irresponsáveis no Congresso Nacional e uma campanha de desmoralização do governo na imprensa. Em dezembro de 2014 o desemprego no Brasil era 4,7%. Hoje está em 13,1%.

A pobreza tem aumentado, a fome voltou a rondar os lares e as portas das universidades estão voltando a se fechar para os filhos da classe trabalhadora. Os investimentos em pesquisa desabaram.

O Brasil precisa reconquistar a sua soberania e os interesses nacionais. Em nosso governo, o País liderou os esforços da agenda ambiental e de combate à fome, foi convidado para todos os encontros do G-8, ajudou a articular o G-20, participou da criação dos BRICS, reunindo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, e da Unasul, a União dos países da América do Sul. Hoje o Brasil tornou-se um pária em política externa, que os líderes internacionais evitam visitar, e a América do Sul se fragmenta, com crises regionais cada vez mais graves e menos instrumentos diplomáticos de diálogo entre os países.

Mesmo a parte da população que apoiou a queda da presidenta Dilma Rousseff, após intensa campanha das Organizações Globo, que monopolizam a comunicação no Brasil, já percebeu que o golpe não era contra o PT. Era contra a ascensão social dos mais pobres e os direitos dos trabalhadores. Era contra o próprio Brasil.

Tenho 40 anos de vida pública. Comecei no movimento sindical. Fundei um partido político com companheiros de todo o nosso país e lutamos, junto com outras forças políticas na década de 1980, por uma Constituição democrática. Candidato a presidente, prometi, lutei e cumpri a promessa de que todo o brasileiro teria direito a três refeições por dia, para não passar fome que passei quando criança.

Governei uma das maiores economias do mundo e não aceitei pressões para apoiar a Guerra do Iraque e outras ações militares. Deixei claro que minha guerra era contra a fome e a miséria. Não submeti meu país aos interesses estrangeiros em nossas riquezas naturais.

Voltei depois do governo para o mesmo apartamento do qual saí, a menos de 1 quilômetro do Sindicato dos Metalúrgicos do da cidade de São Bernardo do Campo, onde iniciei minha vida política. Tenho honra e não irei, jamais, fazer concessões na minha luta por inocência e pela manutenção dos meus direitos políticos. Como presidente, promovi por todos os meios o combate à corrupção e não aceito que me imputem esse tipo de crime por meio de uma farsa judicial.

As eleições de outubro, que vão escolher um novo presidente, um novo congresso nacional e governadores de estado, são a chance do Brasil debater seus problemas e definir seu futuro de forma democrática, no voto, como uma nação civilizada. Mas elas só serão democráticas se todas as forças políticas puderem participar de forma livre e justa.

Eu já fui presidente e não estava nos meus planos voltar a me candidatar. Mas diante do desastre que se abate sobre povo brasileiro, minha candidatura é uma proposta de reencontro do Brasil com o caminho de inclusão social, diálogo democrático, soberania nacional e crescimento econômico, para a construção de um país mais justo e solidário, que volte a ser uma referência no diálogo mundial em favor da paz e da cooperação entre os povos.
Fonte: Brasil 247

Do Blog Augusto Urgente

Anúncios

Entry filed under: Geral.

TRAMITA NA ALBA PROJETO DE LEI DO DEPUTADO QUE PRETENDE PROIBIR AUMENTO DA TARIFA DO FERRY BOAT NOS FINS DE SEMANA E FERIADOS Resultado da 1ª etapa do concurso da Polícia Civil da Bahia será divulgado dia 25/05

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Instagram

Pura vdd
Homem é preso após atropelar mulher nas proximidades do Mercado do Produtor em Juazeiro (BA) Policiais da 75ª Companhia Independente de Polícia Militar apresentaram na delegacia o condutor do veiculo VW/gol, cor prata, placa MUR4087-BA, que ao transitar nas proximidades do Mercado do Produtor de Juazeiro (BA), atropelou uma senhora, fugindo logo em seguida. Após rondas, a polícia conseguiu localizar o suspeito, que recebeu voz de prisão, já que a vitima apresentava lesões pelo corpo. O acusado e o veiculo foram apresentados para os procedimentos cabíveis, enquanto a vítima foi conduzida para a UPA pela equipe do SAMU.
PRF diz que motorista de caminhão preso na Ponte Presidente Dutra após atingir vários veículos em Petrolina não havia ingerido bebida alcoólica O condutor do caminhão que colidiu em vários veículos na BR-407, em Petrolina, fugiu e foi perseguido pela polícia até a Ponte Presidente Dutra, na noite de ontem (9), não havia ingerido bebida alcoólica, segundo informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF). No entanto, conforme o inspetor-chefe da PRF, Paulo Lima, ele admitiu ter feito uso de rebite e remédios controlados. Francinaldo Mendes da Silva, de 30 anos, vinha da cidade de Picos (PI). Conforme Paulo Lima, o caminhão conduzido por Francinaldo pertence a uma empresa a qual ele presta serviço. O homem contou à PRF ter deixado seu irmão no estado do Piauí, mas não disse para onde estava indo. Leitores do Blog informaram que ele estava em alta velocidade desde as imediações do distrito de Rajada, zona rural de Petrolina. Além disso, seguia pela contramão. Após bater em outro caminhão e carros de passeio na Avenida Honorato Viana, o caminhoneiro fugiu e foi acompanhado pela Polícia Militar (PM). Quando chegou à Ponte Presidente Dutra, entre a cidade pernambucana e Juazeiro (BA), já com o caminhão bastante danificado, foi interceptado pelas equipes policiais e por um policial à paisana, que seguia como carona em uma motocicleta. Mas ele só parou o veículo no meio da ponte, quando foi retirado do caminhão e colocado em uma viatura. Ninguém ficou ferido. Surto O inspetor chefe da PRF explicou que as substâncias que Francinaldo disse ter feito uso são alucinógenas e podem causas surtos psicóticos. “Ele fez o teste o etilômetro e não tinha a presença de álcool. Mas ele disse ter feito uso de anfetamina, substância que, em determinadas situações, pode causar alucinações e surtos psicóticos. Ele foi apresentado ao IML (Instituto de Medicina Legal) para fazer outros exames”, explicou Paulo Lima. Apesar de ter sido autuado por crimes de trânsito e uso de substâncias p
CAMINHADA DO SETE DE SETEMBRO REVELA ALINHAMENTOS PARA A ELEIÇÃO DE OUTUBRO O sete de setembro, em Juazeiro, ganhou tom político após o desfile cívico e militar, oportunidade em que os diversos candidatos, com seus seguidores, saíram às ruas para mostrar força e tentar conquistar a simpatia do grande público. A caminhada mostrou o alinhamento de grupos e candidatos. Isaac Carvalho, candidato a federal pelo PCdoB, protagonizou a puxada dos seguidores de Rui Costa, candidato a governador do PT, tendo a companhia de Zó (PCdoB) e Roberto Carlos (PDT). Da ala que apoia Rui Costa, somente Carlos Neiva (PSB), manteve distância da base governista no município, foi às ruas com seu grupo de apoiadores e aproveitou a oportunidade para inaugurar seu comitê, na Adolfo Viana. A caravana de apoio a Zé Ronaldo, candidato ao governo do estado pelo DEM, foi capitaneada pelo ex-prefeito de Juazeiro, Joseph Bandeira (SD), candidato a deputado estadual. Bem ao seu estilo, foi seguido por pelo menos cinco candidatos a deputado federal: Adolfo Viana (PSDB), Luciano (SD), Lelego (MDB), Marcio Jandir (DEM) e pelo grupo de Targino Gondim (PV). Único candidato ao governo da Bahia presente ao evento, Zé Ronaldo chegou a ensaiar um passeio sobre os ombros de um seguidor, ao estilo de Bandeira, mas caminhou boa parte do percurso ao lado de Jorge Khoury e do candidato ao Senado Jutahy Magalhães, também presente na caminhada. Sem o candidato Rui Costa, o grupo liderado por Isaac Carvalho, apostou em faixas com o slogan Lula Livre e bandeiras do próprio Isaac, Zó e Roberto Carlos. Não houve confrontos, nem incidentes dignos de registro. Da redação Blog Geraldo José
DONO DA REDE DE FARMÁCIAS PAGUE MENOS É PRESO O empresário Deusmar Queirós foi preso na manhã de ontem (9). Fundador da rede de farmácias Pague Menos, ele se entregou na sede da Polícia Federal no Ceará, no bairro Aeroporto, em Fortaleza. Segundo o jornal O Povo, a prisão decorre de condenação do empresário em 2010 por crimes contra o sistema financeiro. A pena para o crime é de 9 anos e 2 meses. A decisão foi do desembargador federal Alexandre Costa de Luna Freire, que estava no plantão do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Ainda segundo a publicação cearense, um Habeas Corpus impetrado pela defesa do empresário foi negado. Desde a decisão indeferindo o Habeas Corpus, ele teria 48h pra se apresentar. Um recurso da defesa de Deusmar já tinha sido feito no Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5), em Recife, e no STJ. No entanto, houve trânsito da condenação dos recursos nas duas cortes, com idas e voltas, se encerrando agora com a execução da detenção. A defesa do empresário deve se pronunciar.
Senhor do Bonfim: Candidato a deputado federal morre vítima de infarto fulminante Liderança conhecidíssima em Senhor do Bonfim, no norte da Bahia, Alcides da Silva Araújo, o ‘Alcidão’, de 65 anos, que concorria a deputado federal pela Coligação ‘Unidos para Mudar a Bahia’ (DEM/PRB/PV), morreu na noite de sábado (8), vítima de um infarto fulminante. Ele passou mal e foi levado ao Hospital Paulo Hilarião, mas não resistiu. Além de amante da política, Alcidão era conhecido por ajudar pessoas carentes, principalmente na Semana Santa, quando fazia entrega de peixes. Alcidão também era figura destacada no Democratas e disputou a Prefeitura de Senhor do Bonfim em 2016. O corpo dele está sendo velado na Câmara de Vereadores e o sepultamento será realizado às 17h deste domingo (9), no Cemitério do Povoado de Catuní, município de Jaguarari, no norte baiano, onde ele nasceu. Pesar O candidato ao Governo da Bahia, Zé Ronaldo (DEM) lamentou nesta manhã a morte de Alcidão. “É um momento de tristeza para toda a região de Senhor do Bonfim e para a toda a Bahia. Alcidão era muito querido por todos e teria muitos serviços a prestar ao nosso Estado no Congresso Nacional. Venho trazer agora a minha solidariedade à família dele”, disse Zé Ronaldo, por meio de nota.

Siga-me no Twitter